quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Bienal II

Hello povo,
Voltei! Dessa vez fui ligeira, mas é que precisava falar sobre a Bienal RJ 2013. Pois é, vocês sabiam como eu disse no post anterior que iria não é? E que também contaria tudo nos mínimos detalhes não foi? Então... nem sei como contar... Vamos lá esse espaço é para dizer a verdade, daí , NÃO GOSTEI.


É isso aí. Ninguém precisa fazer cara de espanto, mas o fato é que não foi legal. Vou começar do começo. Primeiro que essa quarta-feira carioca, amanheceu com cara de Porto Alegre. Nem vou comentar o quanto foi terrível sair da cama, mas Bienal... livros... livros... leituras...então tá!


Preparem-se para o meu relato: para chegar ao Riocentro, peguei um mega engarrafamento, a cidade se tornou um funil, com essa Transcarioca parece que estamos na Índia, aliás, minha mãe diz que é a Lei do Faroeste, quem chegar primeiro passa. Ok! Entrada principal – superlotada, alcancei a bilheteria e bingo, mais uma etapa vencida. Superada as condições do tempo, do trânsito e da entrada, pisei no tapete vermelho da Bienal e para minha surpresa, estava um tumulto. Muitas escolas estavam visitando no mesmo dia e muita gente, muita algazarra, muita fila e muito tudo.


Gente, fiquei com vergonha alheia! Alguém já sentiu isso?Vergonha dos jovens de minha idade e até mais velhos, a maioria estava lá fazendo tudo menos com interesse na leitura, ou seja, a Bienal se transformou num shopping para namorar, tirar foto... Gritava um e o resto acompanhava, surgia boatos do tipo “a MC Anitta tá ali!” e saía todo mundo correndo. Um verdadeiro alvoroço, mais pareciam tietes num show do que estudantes em busca de conhecimentos. Juro que não é preconceito, longe de mim, mas vocês precisavam ver.


Depois, 50% da feira era editoras de revistas, espalhadas pelos três pavilhões e pode crer, muita gente saía carregado de sacolas para comprar entretenimento que é vendido nas bancas de jornal. Caramba! Ganhei inimigos agora. Mas gente é verdade, o evento não é para divulgar novidades das editoras em livros? Outra coisa que me espantei, apenas uma referência à Alemanha, que era a homenageada do evento, de resto, tenho certeza que quem visitou e não atentou para o “detalhe” no pavilhão azul, foi embora sem saber. E para completar as queixas, a comida muito cara e ruim, os preços dos livros com poucos descontos, isso porque compramos fora de Bienal parcelado em muitas vezes e até com preço diferenciado pelo site. Pronto falei!

Mas agora que já contei os pontos negativos, destaco os pontos altos. A Editora Cortez estava com um stand lindo, todo em papelão, preocupada com o meio ambiente, inclusive mesas, estandes de livros, tudo mesmo. O Menino Maluquinho marcou presença com uma área para recreação e entrada, dentro do livro Flicts, lindo! Só o Ziraldo mesmo. Outra coisa foi a presença da Estande Virtual, alguém já comprou livro por essa rede de sebos, compramos sempre aqui em casa, superseguro. Também gostei da Turma da Mônica, que está fazendo 50 anos e a Editora Panini estava recheada de livros, as primeiras revistinhas, além do lançamento do Chico Moço,que eu comprei, é claro!
Deixei por último o melhor. Gente, me rendi ao e-reader, sério mesmo, a Amazon está com uma propaganda excelente da kindle e são tão lindinhos. Portátil, cabe em qualquer lugar, cheio de recursos como grifar, aumentar a letra e o maravilhoso é que parece que se está lendo uma folha de papel. Ali você pode armanezar cerca de 4.000 livros, baixar mais de 2.000 do site da Amazon de graça e dá em qualquer lugar. E se quiser, que é o que pensei, pode adquirir o livro físico se gostar para enfeitar a estante. E o preço muito acessível. Estou negociando aqui em casa a minha mesada, mas peguei muito empréstimo. Porque usei de toda minha persuasão para aumentar aquela minha cota em mais dois (rs). Essas foram minhas aquisições:

1.      As aventuras de Sherlock Holmes – Arthur Conan Doule / Cia das Letras
2.      Marcas de um olhar e outros contos – Alcides Goulart / Ed.jovem
3.      Pequenas histórias e grandes lições – Alcides Goulart / Ed. Jovem
4.      Ponte para Terabítia – Katherine Paterson / Ed. Salamambra
5.      Os Miseráveis – Victor Hugo / Ed. Moderna
6.      Fugindo para viver – Adeilson Salles / Ed. FEB
7.      Chico Moço, Turma da Mônica Jovem (2 e 4) em inglês que estavam faltando na coleção – Maurício de Sousa / Ed. Panini
8.      Ganhei Snoopy – Sempre alerta! de Shulz/ Ed. L&PM e Gil Vicente- Auto da Barca do Inferno de Douglas Tufano/ Ed. Moderna. Só...

Ah, já estava esquecendo, participei do Café Literário com Tony Belotto dos Titãs, ele estava lançando mais um livro: Machu Picchu. É isso, essa foi minha aventura na Bienal, espero que alguém tenha tido mais sorte. Prometo voltar logo com mais novidades, essas semanas serão de simulado e prova, mas prometo voltar com algum livro da relação, lido para recomendar.Também quero aproveitar para divulgar o blog de minha amiga entremulheresefilhas.blogspot.com.br. 
                                                                                                                                                  Bye!    

4 comentários:

  1. Oi Dani, Interessantes suas observacoes! Infelizmente hoje muitas criancas e jovens so querem curtir e nao cultivam habitos tao importantes como uma boa leitura. Quanto ao comportamento deles entao nem se fala ne? Mas que bom que voce conseguiu encontrar algumas coisas boas na Bienal! Obrigado pela recomendacao do blog, so tenho uma correcao a fazer. O nome certo e : entremulheresefilhas.blogspot.com.br.
    Parabens por mais este excelente post! bj

    ResponderExcluir
  2. xi tia é verdade! Quando entrei fui pelo link, mas vou corrigir agora mesmo. Até porque está muito fofinho o blog de voc6es. Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Que bom que não fui só eu quem achou essa Bienal uó! Fui na quinta-feira e me arrependi completamente. Tava um tumulto terrível, nem consegui chegar ao terceiro pavilhão. Comprei uns livros que estavam com 50% nas editoras universitárias, me arrisquei na Leya e sumimos dali rapidinho...
    Meu namorado disse que agora as escolas são obrigadas pela prefeitura a levarem os alunos, daí o tumulto e a gritaria (sem contar que corríamos o risco de sermos massacrados por aquelas multidões de adolescentes correndo e gritando do nada).
    Por um lado acho legal essa inserção, mas por outro, acho que as professoras deveriam antes fazer um trabalho de conscientização e de incentivo à leitura; do jeito que foi não resultou em nada a visita deles.
    No geral fiquei feliz pois consegui livros bons e baratos, mas não espero voltar na Bienal nesses moldes de 2013.

    Dani, um beijão! Boas Leituras! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah tia Mari não podemos perder o contato.Nosso pensamento é igual,mamãe fala que vc é minha versão adulta (rs). É verdade e que bom! Bjs!

      Excluir